quarta-feira, 19 de Maio de 2010

Introspecção da minha viagem Filosófica

“Filosofia!?… Olha Inês, mais uma disciplina para te estragar a média e para te queimar o teu Tico e o Teco.” Este foi um dos meus primeiros pensamentos que me ocorreram quando dei de caras pela primeira vez com Filosofia. Pensei que era uma disciplina que não ajudaria em nada e que não iria aumentar os meus conhecimentos tanto a nível profissional como ser humano.
Pode-se dizer que nesta altura era muito primata e fútil. Afinal, eu estava cega de preconceito e só via as coisas que eram óbvias…ou melhor, que parecem ser óbvias (parecer é diferente de ser).

Vá lá, ainda foi a tempo de perceber que a Filosofia não era esse quadro horrível que pintava e que esta disciplina acabou por me despertar mais para a vida (da que me falta viver) e permitiu ver com bons olhos tudo aquilo que de mau se passou.

Antigamente, se me questionassem “Quem és tu?”, “O que fazes aqui?”, “ O que achas que tem mais valor nesta vida?” ou “ Para que serve a tua existência?”, eu talvez respondesse o que me passasse pela cabeça.

Hoje em dia, se me voltassem a questionar tudo isto eu, muito provavelmente, teria de me catar e fazer uma nova introspecção, para responder a questões tão sábias, que nos faz utilizar algumas partes do cérebro que estiveram paradas e desconhecidas, até então.

Actualmente, sei que Filosofia é muito mais do que uma disciplina, onde se tenta dizer muito mais do que frases ou palavras ditas bonitas. Hoje, sei que esta disciplina me ajudou a construir uma ponte entre mim e o meu ‘eu’, e nesta aprendi a criticar argumentadamente. Aprendi a ver o mundo, sem ser em tons cor-de-rosa, a não ficar neutra perante as situações, e que nada é nosso, a menos que nos esforcemos para tal (mesmo que soframos).

Para além disso, aprendi que nós não somos como bússolas, que só nos orientamos para o Norte sem pensar se o Sul também pode ser uma opção, ou seja, que somos nós que decidimos o que fazer da nossa vida, que nada está pré-determinado, e somos suficientemente responsáveis pelas decisões que tomamos (já que sabemos pensar por nós próprios e temos uma diarreia de actos de consciência, depois de fazermos algo de imoral), tudo isto, com umas simples linhas orientadoras (os meus valores e princípios).

É impossível descrever tudo o que aprendi com os meus amigos e professora dentro daquelas quatro paredes, das piadas que dissemos e dos momentos mais emotivos… era bom que sempre fossem assim. Apenas filosofar… que isto nunca fosse efémero e que o bicho mais curioso do meu ‘eu’, que nunca se cala quando saiu de Filosofia, se mantivesse assim para além da minha morte.

Agora, sei que sempre precisei, neste meu pequeno mundo, de um pouco de filosofia para perceber que a vida é muito mais do que o óbvio e do que o materialismo. É preciso viver a vida em vez de ver ela a ser vivida.

Ao contrário do que imaginava, inicialmente, a Filosofia veio complementar o que me faltava. Veio enriquecer a minha forma de pensar, enquanto ser social e que me deu mais do que alguma vez imaginei…o que compensa todo o esforço que fiz para perceber certos conceitos filosóficos. Tudo isto, porque a pior coisa do ser humano é a sua ignorância.

Concluindo, a Filosofia permitiu-me conhecer quem realmente sou e compreender todos os sinais dados por esta vida finita. Sinto que cresci, sinto que destas lições de vida jamais me esquecerei. Graças á Filosofia, hoje percebi que sou um prédio sólido de 5 andares e que não se derruba com uma simples ventania. Hoje sou um pequeno alguém, que ainda tem de crescer e que a dor é apenas a minha noção de que sou muito diferente do que quero ser. Infelizmente, ainda não consegui decifrar o código para o sentido da minha vida, mas tenho a certeza que o irei encontrar e, quem sabe, talvez seja esse o meu sentido para a vida.

O que é certo, é que para o ano, sei que vou entrar neste vaivém emocional, sem hesitar, pois, esta viagem, breve e cheia de conhecimento, não me fez mais ignorante do que já era. Pelo contrário, fez-me viver para esta minha estranha forma de vida e a amar a minha amiga Filosofia.

Sem comentários:

Enviar um comentário